CENTROS DE CONVÍVIO INTERCULTURAL
LANGUAGE LIVING-LEARNING CENTERS
Ricardo Schütz
Primeira publicação: novembro de 2006
Última atualização: 12 de março de 2017

... se a vida é um processo de conhecimento,
os seres vivos constroem esse conhecimento
não a partir de um atitude passiva
e sim pela interação.
Aprendem vivendo e vivem aprendendo.

(Humberto Mariotti, 2001, p.12)

Conhecimento não acompanhado
das experiências que nos permitiram sintetizá-lo
é conhecimento de segunda-mão.


Centro de Convívio Intercultural, Centro de Convívio Multicultural ou Centro de Convivência Multicultural (Language Living-Learning Center) é um conceito relativamente novo dentro das metodologias de ensino de línguas estrangeiras. É inspirado nos inúmeros living-learning centers de muitas universidades da América do Norte e Europa e no trabalho de Stephen Krashen e seu método para o ensino de línguas denominado Natural Approach. O termo foi criado pelo Instituto de Idiomas Schütz & Kanomata.

As velhas metodologias "tradução e gramática" e "áudio-linguística", ainda inspiradoras do ensino de línguas atual, estão em declínio. O modelo tradicional dos cursos de inglês, com sala de aula, professor, quadro-negro, livros em sequência, CDs, tema de casa e exercícios online, está em xeque por não proporcionar a proficiência esperada. O mundo atual exige uma eficácia maior na área do ensino de línguas.

Quem tem condições, vai buscar sua internacionalização no exterior, o que representa um investimento de tempo e dinheiro que nem todos possuem.

Centros de convívio multicultural representam uma alternativa prática e econômica ao oferecer experiências de convívio humano em ambientes autênticos da língua e da cultura estrangeira.

O QUE É UM CENTRO DE CONVÍVIO INTERCULTURAL (CCI)?CCM group

In an LLLC (Language Living-Learning Center) the classroom and the school precints become a natural language acquisition environment.

Nosso conceito de centro de convívio intercultural (CCI) é o de associações de pessoas de diferentes nacionalidades com interesses comuns em línguas e culturas.

O centro de convívio se estrutura a partir da formação de grupos de pessoas com interesses complementares. De um lado temos aprendizes e do outro, facilitadores. Brasileiros que querem aprender inglês, por exemplo, participam de encontros informais com estrangeiros de países de língua inglesa, falantes nativos portanto, os quais, na qualidade de autênticos representantes de sua língua e sua cultura, atuam como facilitadores.

Para o estrangeiro, o centro de convívio representa uma oportunidade rara de imersão na sociedade e na cultura brasileira. Ele vivencia o exotismo e os atrativos da cultura brasileira num programa que inclui hospedagem, aulas de português para estrangeiros, disciplinas universitárias, música, samba, capoeira, participação em academias de ginástica, e atividades turístico-culturais em fins de semana.

Para o aprendiz, um CCI é a oportunidade de construir relacionamentos com representantes da cultura estrangeira, falantes nativos de suas línguas. O aprendizado da língua se dá de forma natural, fruto desse convívio em ambiente autêntico, no qual o aprendiz vivencia experiências semelhantes àquelas dos programas de intercâmbio no exterior.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

[...] se a vida é um processo de conhecimento, os seres vivos constroem esse conhecimento não a partir de uma atitude passiva e sim pela interação. Aprendem vivendo e vivem aprendendo. (Mariotti, 2001, p.12).

Estudos das teorias de Piaget e Vygotsky, também demonstram que a aprendizagem é fruto da prática social, na qual a interação tem um papel preponderante:

Fica evidente que tanto a teoria psicogenética de Piaget, quanto a teoria sócio-histórica de Vygotsky, repercutem no contexto educacional, tendo como elemento cêntrico a atitude interacionista dos indivíduos com o meio sócio-ambiental. (Andrade, p.6)

Em conformidade com essa linha de pensamento que estabelece uma clara interdependência entre experiência, interação social e desenvolvimento cognitivo, CCIs são grupos de aprendizagem de línguas estrangeiras através da experiência de convívio com nativos da língua-alvo. Constituem-se em ambientes naturais de interação social, onde aquela curiosidade pelo desconhecido e aquele magnetismo natural de opostos que se atraem ou de diferenças que se complementam, proporcionados pelo contato multicultural, é elemento chave.

Grupos de conversação com participação de falantes nativos de diferentes países de língua estrangeira, permitem ao aprendiz desenvolver familiaridade com a língua na sua forma oral isenta de desvios, negociar significados e desenvolver a comunicação criativa. A comparação de valores e o entendimento das diferenças culturais evitam que o aprendiz desenvolva hábitos intelectuais estereotipados.

CULTURA

A perspectiva cultural é um complemento indispensável no ensino de línguas estrangeiras. Sobre isso David Crystal escreve em 2013:

Increasingly, over the past ten years, I've come to take the view that a cultural perspective is intrinsic to the future of language teaching and learning, especially in the case of English, as it becomes increasingly global. Once upon a time, I saw this perspective as a marginal or advanced feature of a curriculum – as I think most courses did – something that learners would 'add on' after achieving a certain level of competence. Not any more. A cultural perspective needs to be there from day one. (p. 21)

A aprendizagem cultural, em sincronia com a aprendizagem da língua, leva o aprendiz a sentir-se à vontade na presença de estrangeiros. Os participantes estrangeiros, no papel de vetores de suas línguas e culturas, se sucedem a cada ano ou semestre. Cada novo contato possibilita ao aprendiz brasileiro a prática de construção de um novo relacionamento, sedimentando aquelas ferramentas linguísticas básicas ao convívio humano e diversificando sua familiaridade com variantes dialetais e culturais.

CCIs viabilizam a implementação, da forma mais completa possível, da teoria de Stephen Krashen sobre assimilação natural de idiomas em seu Natural Approach, bem como da teoria sócio-interacionista de Vygotsky, aplicada ao aprendizado de línguas estrangeiras.

COMO FUNCIONA NA PRÁTICA?

Esses centros ou núcleos de convívio multicultural podem ser facilmente criados em escolas de ensino fundamental e médio, bem como em cursos de línguas, faculdades de letras e empresas. Com o auxílio da Internet ou de colaboradores no exterior, faz-se a divulgação e recrutamento. Um coordenador fica responsável pela seleção e contato com os estrangeiros interessados em participar, pelo cadastramento de famílias interessadas em hospedar estrangeiros, e pela montagem de um programa de língua e cultura brasileira para atender aos interesses dos mesmos. Com o apoio de instituições de ensino superior ou organizações de intercâmbio, obtém-se a legalização do estrangeiro em território brasileiro.

LLLCs (Language Living-Learning Centers) are social groups of people of different nationalities interested in languages and foreign cultures.

For the learner of foreign languages in Brazil an LLLC provides the opportunity to interact with foreigners without the need to travel abroad. For the foreign learner, an LLLC provides accommodations, training, and a Brazilian language and culture program that includes Portuguese lessons, college courses and weekend cultural trips.

The foreign participants are motivated by the uniqueness of the Brazilian culture and the opportunity to learn Portuguese.  As native speakers of English, they play the role of carriers and conveyors of their language and culture.  The EFL learner becomes familiar with the spoken language, learns to negotiate meanings, engages in creative communication and develops functionality in the target language.  Comparing cultural values and understanding the differences prevents stereotypes.

LLLCs are successful because the members are naturally curious about the foreign culture and attracted to the complementing differences - and this results in productive cross-cultural relationships. The resulting communication becomes a unique experience of personal enrichment for both sides.

LLLCs are authentic environments of the target language and culture. They work like cultural exchange programs and provide natural acquisition as a result of real interactions with native speakers, where the learner, as an active player, develops the necessary communicative competence. At the same time, cultural awareness makes the learner feel comfortable in the presence of foreigners and exposure to accurate language produces accuracy in addition to fluency.

The foreign participants are replaced by new ones every semester or every year.  The challenge of building new relationships time and again reinforces and makes possible the internalization by the learner of the basic linguistic tools to introduce oneself and socialize.  It also provides an enriched experience with people of different backgrounds and different dialects.

LLLCs represent the perfect implementation of Krashen’s Acquisition theory.

HOW TO ORGANIZE AN LLLC?

LLLCs are organized in small groups that meet regularly twice or three times a week.  Each group is led by a native speaker of the target language with teaching experience, who is free to bring any activities that encourage conversation.  The school makes available a library of ESL teaching materials, internet access, and other materials the teacher may need.  The teacher’s main responsibility is to establish a personal connection with each learner.

There are also grammar workshops run by native speakers every week, open to all groups.  The goals of these workshops are: to provide an additional hour of native-spoken English; to make possible getting acquainted with a different native speaker; to satisfy some learner’s (or their parents’) desire to learn grammar.

The school hires Brazilian teachers of Portuguese as a second language to teach the foreign members.

Foreigners, Brazilian teachers, school staff, their partners, students, and friends are invited to join weekend trips to places of interest twice a month. The goal is to integrate cultures bringing together foreign students of Portuguese and local students of English in an informal atmosphere with a lot of comprehensible input both ways.

O CCI pode também ter autonomia para estabelecer contato direto com organizações estrangeiras voltadas ao intercâmbio de jovens adolescentes, podendo oferecer, para seus alunos mais destacados mas menos privilegiados, oportunidades de intercâmbio no exterior em escola de mesmo nível a preços de custo, sem as taxas de intermediação cobradas pelas agências de intercâmbio brasileiras que atuam como representantes das organizações estrangeiras.

CCMs NA EDUCAÇÃO INFANTIL – O FIM DO MONOLINGUISMO

O período ideal para tornar a pessoa bilíngue é a infância ou a adolescência. Pesquisas nos campos da neurolinguística, da psicologia e da linguística demonstram que, por fatores de ordem biológica e psicológica, quanto mais cedo, melhor.

A respeito do aprendizado de línguas na infância e da interferência da língua materna, Yehouda Harpaz diz:

Humans are born with an ability to comprehend and generate all kinds of phonemes, but during childhood (starting from birth, and maybe before) this ability is shaped by experience such that only the phonemes of the native language are easily comprehended and generated. In adults, these abilities are much less plastic, so adult learners of a new language find it especially difficult to comprehend and generate the phonemes of the new language that are not used in their native language.
At the time of learning to speak, the child learns to understand the world, and linguistic interaction forms most of the data in this learning. As a result, the learned neural structures that correspond to concepts tend to be associated with the neural structures that correspond to the words (by Hebbian mechanisms).
When an older person learns a language, the concepts already have neural structures, which are quite fixed. The neural structures corresponding to the words in the new language, which are determined by the perceptual input, have no relations to the former structures, and hence the association is relatively difficult to learn.
In learning a new language, the learner is not only required to perform new sequences of mental and motoric operations, but is also required not to perform the old ones. The old sequences are very thoroughly learned through practice, so it is very difficult to avoid performing them. Thus older second language learners find it very difficult not to slip back into their old language, both in terms of motoric actions (pronunciation) and mental actions (syntax structures, phrases etc.). For a young child, this is much less of a problem, because his/her language performance is much less practiced.

Para Harpaz, na infância, a aquisição da fala e a descoberta do mundo são processos paralelos. A interação linguística da qual a criança participa proporciona a maioria dos dados nesse processo de desenvolvimento cognitivo. Como consequência, as estruturas neurais no cérebro que correspondem aos conceitos que vão sendo aprendidos acabam naturalmente e intimamente associadas às estruturas neurais que correspondem às formas da língua.

Quando um adulto aprende uma língua estrangeira, seus conceitos (já formados) já possuem estruturas neurais fixas associadas às formas da língua materna. As estruturas neurais correspondentes às novas formas da língua estrangeira não possuem relação com as estruturas dos conceitos já formados, sendo esta uma associação mais difícil de ser estabelecida.

Pode-se portanto afirmar que o ritmo de assimilação das crianças não só é mais rápido, como o teto, mais alto. Até os 12 anos de idade aproximadamente a criança ainda tem a capacidade de assimilar a pronúncia do idioma estrangeiro ao mesmo nível da língua materna.

Por sua vez, a crescente procura por serviços de educação infantil para crianças em idade pré-escolar abre uma excelente oportunidade de erradicação do monoliguismo. Além de ser um período de desenvolvimento cognitivo máximo, é também uma época em que a criança ainda não se encontra sobrecarregada de atividades impostas pela educação formal. Nesta idade, a capacidade de assimilação e desenvolvimento da linguagem é máxima. A utilização de cuidadores falantes nativos criaria ambientes autênticos da língua-alvo e estes, além de cuidadores, funcionariam naturalmente como vetores de sua língua e cultura. Os laços afetivos funcionariam como catalizadores perfeitos e as crianças que frequentassem tais escolas de educação infantil já estariam perfeitos bilíngues ao ingressar no ensino fundamental.


REFERÊNCIAS:

Andrade, Edson F. Contribuições da Psicologia para a Proposta Construtivista de Ensino-Aprendizagem. <http://www.revistapsicologia.ufc.br/index.php?option=com_content&id=44:contribuicoes-da-psicologia-para-a-proposta-construtivista-de-ensino-aprendizagem&Itemid=54&limitstart=5>. Volume I, Número 1, 2010.
Crystal, David. Language and Questions of Culture. <http://cultusjournal.com/1/upload/interview_david_crystal.pdf>. Online March 1, 2015.
Harpaz, Yehouda. "Myths and misconceptions in Cognitive Science". Human Cognition in the Human Brain. <http://human-brain.org/myths.html>. Online. Nov 1, 2003.
Krashen, Stephen D.  Principles and Practice in Second Language Acquisition. Prentice-Hall International, 1987.
Mariotti, Humberto. Outro olhar, outra visão (prefácio). In: Maturana, Humberto R.; VARELA, Francisco J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Palas Athena, 2001.
Vygotsky, L. Mind in Society: The Development of Higher Psychological Processes. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1978.
Vygotsky, L. S. Thought and Language. Cambridge, MA: The M.I.T. Press, 1985.

ORIENTAÇÕES SOBRE DIFERENÇAS CULTURAIS PARA PARTICIPANTES DE CCMs
DEFICIÊNCIAS DO ENSINO DE INGLÊS NO BRASIL
RUMOS PARA O ENSINO DE LÍNGUAS NO BRASIL
Slide show: Tendências e Propostas para o Ensino da Língua Inglesa


Proibido reproduzir sem autorização. Propriedade intelectual de Schütz & Kanomata, ESL.
Não deixe de citar a fonte. Diga não ao plágio.
Como fazer uma citação desta página:
Schütz, Ricardo. "Centros de Convívio Multiculturais." English Made in Brazil <http://www.sk.com.br/sk-ccm.html>. Online. 12 de março de 2017.
Observe que ao citar textos encontrados na Internet, é necessário colocar a data, devido às frequentes alterações que os mesmos podem sofrer.

O que é língua?
História da Língua Inglesa
Inglês, a Língua do Mundo
 -  O Inglês e o Português no Mundo
O Fim do Monolinguismo
Aprendizado de Línguas
 -  Que significa "aprender inglês"?
 -  Language Acquisition x Learning
 -  The Communicative Approach
 -  Interlíngua e fossilização
 -  Tradução mental não funciona
 -  O que é talento para línguas?
 -  O bom aprendiz
Por que crianças aprendem melhor?
 -  O papel dos pais
 -  O papel da escola
 -  O papel do governo
Como escolher um curso de inglês
 -  O que é um bom professor
 -  Nativo x não-nativo
 -  Bibliografia do professor de inglês
Rumos para o ensino de línguas
 -  Centros de Convívio Multicultural
Como abrir uma escola de línguas
 -  Marketing na Educação
Pronúncia
 -  Sinalização Fonética
          -  Sinalização Ortográfica
 -  Interferência da Ortografia
 -  Regras de Pronúncia
          -  Pronúncia do Passado
 -  Vogais do Inglês e do Português
 -  Consoantes Inglês x Português
          -  Flapping Rule
 -  Acentuação Tônica (Word Stress)
 -  Rhythm & Vowel Reduction
          -  Can & can't
 -  Dicas sobre pronúncia
Word Formation (Morfologia)
Vocabulário
 -  Falsos Conhecidos
 -  Palavras de Múltiplo Sentido
          -  English Lexical Ambiguity
 -  Make, Do, Take & Get
 -  Contrastes Idiomáticos
 -  Provérbios
 -  Verbos Irregulares
Etimologia (Word Histories)
American x British
Gramática
 -  Erros Comuns
 -  Perfect Tense
 -  To & For
 -  Phrasal Verbs
 -  Preposition-Dependent Words
Interpretação de Textos (Reading)
Como Redigir em Inglês (Writing)
 -  Palavras Conectivas (Transitions)
 -  Como não redigir e como traduzir


Menu principal    |    Missão    |    História