English Made in Brazil  
---------     E  D  U  C  A  T  I  O  N  A  L     S  I  T  E    ----------  
 ----------------------------------------------------------------------------------  
Schütz & Kanomata - ESL  
NATIVE SPOKEN ENGLISH  
  PATROCINADOR   
PATROCINE ESTA PÁGINA
 
(informe-se)
How to sponsor this page

ÍNDICE
Ensino de línguas no Brasil - Geanne Serique
Black English - KL Terry
Politically correct - KL Terry
Concordância semântica - Caia Fittipaldi
Uso de maiúsculas - André Salles
Ain't - Dale Bricker
English and Globalization - José Javier González Acosta
Dificuldades no Ensino-Aprendizagem de Redação em Inglês - Diego Magno Pires
ESL and globalization - F. Brian
Esperanto - José Achangelo Olivato
Coin sizes - Ruocco
Redação de contratos - Edgar Miller
Letras de músicas - Tomaselli
Método Psicolingüístico - Marcos Chimenti
Teaching Phonemics to Children - Karina Andrade

Este é um espaço reservado a colaborações oferecidas pelos freqüentadores deste site. Os temas predominantes são: globalização, second language acquisition, ensino e aprendizado de línguas, lingüística comparada, inglês, português, e estudos no exterior.

English Made in Brazil reserva-se o direito de selecionar as colaborações oferecidas.
As opiniões aqui emitidas não são de responsabilidade dos patrocinadores deste site.

Date: May 18, 2003
From: Karina Andrade <kpandrade*yahoo.com.br>
Subject: Teaching Phonemics to Children

Can Children Learn Phonemics?

The Effectiveness of the Use of the Phonemic Chart (IPA) with EFL Young Learners in Fortaleza, Ceará - Brazil

By Karina Andrade

Over the last ten years I have been teaching English as a foreign language in private schools in Fortaleza, a Northeast city in Brazil. I have taught several levels and ages specially children from seven to ten years old. Once, in one of my lessons, a pupil pointed to the phonemic chart on the wall and asked me: "Teacher, what's that?"

Since I have been working on segmentals with teenagers and adults with considerable success, that question made me think about the importance and necessity of calling children's attention to the phonemic set and some queries came to me: Can children learn phonemics? Would it be useful to work on English sounds and symbols with children and, if it is, how could I approach them? Is it important to make them understand the difference between sound and letter? Would it improve pupils' pronunciation?

It is relevant to understand that the objective of this paper is to suggest an activity with the phonemic chart (sounds and symbols) and to make EFL teachers aware of the importance of teaching pronunciation not only to teenagers and adults but also to children - why not with them? The sooner we start the better.

As it is known, children learn best when they are involved and when their work is valued. They learn best when they have the opportunity to experience and experiment for themselves (Vale and Feunteun. 1996. Teaching Children English. Cambridge University Press. pp. 28). Having this in mind and focusing on segmentals, I designed an activity which I considered interesting to initiate pupil's knowledge on phonemes starting with the consonant sounds since several of them are similar to Portuguese - the pupil's mother tongue.

The group I chose was a juvenile group with seven and eight years old students which already knew how to read and write in Portuguese (L1). I decided to start the work with the consonant sounds which were similar to Portuguese because firstly, I considered them easier to the students and, secondly, several of the symbols of the consonants correspond to their respective letter of the alphabet. The first consonant symbol I chose was /b/ since I followed the alphabetical order.

Next, with some magazines, I asked students to collect as many words in English as they could find with the sound of "b". I also asked them to collect pictures since I did not have enough magazines in the target language. Then I called their attention to the phonemic symbol: /b/.

As the words were showing up, I started to make them notice the difference between sound and letter and it made the work much more interesting. So, I drew the phonemic symbol in the centre of a sheet of paper and asked the students to glue the words and pictures they found with that sound around the symbol making a web. We stuck the work on the wall and practised the pronunciation of each word emphasising the specific sound.

Pupils were so involved and curious about the chart that they started to make lists of words they already knew in English with that sound. With the list students made a glossary and every week we focused on a different symbol collecting words and pictures. It was not a very long step from consonant to vowel and diphthong sounds and also to the minimal pairs in order to make them compare the sounds.

What I noticed is that knowing the symbols for consonants and vowels, as well as diphthongs, pupils pronunciation can be improved and they can even read better in English.

For teachers, it is important to have an opportunity to reflect on what happens in the classroom and notice how children react to this kind of activity. I am proposing one of many activities which teachers can use to make pupils aware of the phonemic symbols in English, their importance and usage. Teachers can then decide for themselves how such an approach relates to their way of teaching children.

Conclusion

The objective of this paper was to make EFL teachers aware of the effectiveness and importance of teaching pronunciation to children by using the phonemic chart. From the beginning of the English as a foreign language course, as they learn how to read and write in their mother tongue (in this case Portuguese), children can be exposed to the English sounds in order to have their pronunciation improved. Teachers will find that teaching children the sounds and symbols in English will be a successful and satisfying experience.

References

Vale, David with Feunteun Anne. 1996. Teaching English to children - an activity-based approach. In Teaching Children English. pp. 27,28. Ed. Cambridge University Press.

Ur, Penny. 1996. Teaching Pronunciation. In A Course In Language Teaching - Practice and Theory. pp. 47-56. Ed. Cambridge University Press.

Ur, Penny. 1996. Teaching Children. module 4. Unit 2. In A Course In Language Teaching - Practice and Theory. pp. 288-290. Ed. Cambridge University Press.

Wong, Rita. 1993. Pronunciation Myths and Facts. Forum. Vol. 31. No. 4. pp. 45. http://exchanges.state.gov/forum/vols/vol31/no4/p45.htm.

Underhill, Adrian. 1994. Sound Foundation - Chart and Guide. Ed. Heinemann English Language Teaching.

International Dictionary of English. 1996. Cambridge University Press.

Wells, J.C. 1993. Pronunciation Dictionary. Longman Group UK Limited.

Karina Andrade teaches English as a foreign language in Fortaleza, Brazil.


Date: Sep 9, 2002
From: "tucho gonzalez" <tucho_figo*hotmail.com>
Subject: English and Globalization
Hi there! Oi!
I'm writing from Mexico, I was looking for some song lyrics in Portuguese, language that I love but unfortunately never had the time to learn and I found this site that I think is very interesting.
I just couldn't stop thinking about a message I read from somebody called Brian (ESL and Globalization); he talks about the importance of English on society, the influence it has in all the aspects of our lives, and how it could, little by little, eliminate our culture, habits and even change the way we think...
After thinking about it, I desagree. He may be partially right but definitly not at the level he thinks and not for all the countries, and I can explain ...
I think you are aware that if there is a country with the American influence ALWAYS present, that country would be mine, Mexico, but there is something called nations of low and high context, which mesures how much history, and cultural heritage a country has, and we are among the nations of high context, the second in the world in cultural diversity, after India, and this influence and possible change that English can cause, depends on how strong and deep the roots of a culture are, and ours are strong, deep and big, besides known and admired all over the world.
The situation with Brazil, country that I admire in many aspects, is different, and I can mention 2 aspects that contribute to what Brian says, it is a low context nation, and the native language is portuguese, that compared to the number of people that speak spanish is not much, so it may help to this English influence to cover and "eliminate" Brazilian culture, habits etcetera, but I still think that no matter the influence we have in our countries (Latin America), there's no way we can loose any aspect of what we are, even in this huge globalization process we are living in.
I would love to know what you think about what I said, and get the answer to my email adress, pepegoac@hotmail.com and congratulations for this great site where you can express what you think and make others know, it is a big opportunity of a big and rich exchange among countries.
Obrigado... José Javier González Acosta - Xalapa, Veracruz, México.
Dear José,
Thank you for your participation.
We think that in the same way the direction of the wind doesn't determine the sailor's destination, the language we speak will not determine our destiny. In fact, by speaking a global language we can make ourselves better heard.
Regards, Ricardo - EMB

Date: Sep 23, 2001
From: "Marcos Chimenti" <marcos_chimenti*hotmail.com>
Subject: PARABÉNS E OBRIGADO POR EXISTIREM
Caros amigos,
Foi com imenso prazer que "tropecei" em seu site, quando fazendo uma pesquisa a respeito da pronúncia dos verbos regulares na forma do passado. Descobri no seu site uma "corporificação" de todas as impressões, idéias e conceitos os quais, após alguns anos de experiência com os "métodos" - palavra que me causa um certo terror - dos outros, pude me certificar de serem aqueles que levam, de forma real e permanente, à facilitação da troca de conhecimentos e a internalização destes pelo aluno.
Como filho de psicanalista (e exposto a seus conceitos desde criança), estudante de psicologia e sendo instrutor de inglês já há 15 anos, concordo com 99% do que li em seu site e, se não concordo com 1%, é apenas porque algum conceito não ficou muito claro para mim, ou difere um pouco daquilo que experimento na prática.
Acredito ser a abordagem baseada na afetividade e embasada nos conhecimentos trazidos pela psico-linguística (e adiciono, no meu caso, o que conheço da psicanálise. Afinal de contas, quem mais se utiliza e depende tanto da comunicação e linguagem no lidar com os seres humanos?) e psicologia como a forma real de se criar uma troca satisfatória e profunda entre aluno e professor (se é que me permitem esta exemplificação tão calcada no "método do ensino formal", do qual sou um crítico veemente).
O único ponto que me deixa um pouco confuso é a aplicação do conceito de "aquisição de linguagem" (como está exposto no site) quando lidamos com adultos que estão tendo a sua primeira relação "oficial" com a língua inglesa. Como nos diz a psico-linguística, os "registradores" para linguagem operam de uma forma tal na criança a qual já não é mais possível de se realizar no cérebro do adulto.
As crianças cometem os famosos "erros inteligentes" quanto à construção das frases e podemos ver que a prosódia é a primeira habilidade desenvolvida, mesmo antes da articulação das primeiras palavras cogniscíveis para os adultos. Mas isto não se traduz no adulto que está aprendendo uma nova língua. Estes sempre comparam / adaptam o novo ao antigo, sem "desconstruir"os conceitos, sem reavaliar e pensar como o que foi aprendido pode se transformar e ser aplicado ao novo conhecimento. Por isso cometem "erro "burros"no tocante à construção de sentenças.
Para "contornar" este problema, sempre trabalhei usando o mundo real e a vida do aluno como o pano fundo para a aprendizagem, incentivando-os a aprenderem expressões, por exemplo, observando em que situações são utilizadas ao invés de recorrerem aos dicionários. Como sabemos, uma tradução literal pode ser impossível, porém a compreensão de que, numa dada cultura, quando enfrenta-se uma certa situação, pode-se recorrer a esta ou aquela expressão é posível. Isto ajuda a promover a relativização do conhecimento já existente e estimula a auto-confiança do aluno em sua capacidade de "improvisar, adaptar e superar", afinal de contas, não vão andar por aí com um dicionário e um livro de gramática no bolso, prontos para consultá-los no momento em que lhe derem "bom dia" em uma língua estrangeira. Estes são aqueles que ficam com uma "neurose de fixação". Se perdem uma palavra, se recusam a avançar e entender o resto.
Apesar de me utilizar do "artifício de contorno" acima mencionado, sempre tento fornecer uma lógica gramatical, um "pedaço" de chão, onde o aluno possa colocar um pé e, tendo conseguido um mínimo equlíbrio, sinta-se mais confiante nas suas chances de acerto ao imaginar onde, baseado no que pode induzir/deduzir e extrapolar de um conceito que aprendeu, vai colocar o outro pé. Afinal de contas, "extrair" uma regra, mesmo que seja insconsciente, do uso do "present perfect" ou do porquê da pronúncia de certas palavras, por exemplo, pode ser praticamente imposível, especialmente se um caso muito óbvio não se apresenta na cultura de quem aprende ("ué, mas quando eu traduzo I studied English for ten years dá na mesma do que I have studied English for ten years...").
Me utilizo destes conceitos para todas as situações em que me encontro numa posição de "facilitador da troca de conhecimento", seja para o inglês, informática, como também nas dúvidas de outros colegas sobre psicologia, psicanálise ou qualquer outro assunto onde eles acreditam que eu possa ser de alguma ajuda.
Como aluno, reconheço os bons profesores, aqueles que têm experiência prática e uma boa capacidade de relativização, e os maus professores, aqueles "leitores de manuais, que sempre respondem com alguma passagem sublinhada de um manual e que, perante insistência da dúvida, repetem-na de várias formas, velocidades e entonações iferentes, esperando que a exposição ad nauseum acabe "entrando por osmose", ou apenas se desesperam e rotulam o aluno de "difícil"ou mesmo de "burro". Assim, tento me aliar com o "procedimento" dos primeiros.
Vejo esta abordagem (construtivista, por conceitos e não acumulativa e linear) como, ao invés de dar-se uma ferramenta, explicar-se a forma como a utilizar. Algo como o conceito de "alavanca", por exemplo. Não preciso andar por aí com uma haste de madeira e uma pedra, pois, se conheço o conceito, posso me utilizar de qualquer coisa que esteja ao meu redor e produzir o mesmo efeito. Por isso sempre dou algum "background" gramatical e histórico-cultural (quando possível) para que o aluno tenha o seu "canivete suíço" lingüístico. Como também não acredito em ensinar uma língua sem apresentar um pouco da história e da cultura do povo que a fala.
A forma de utilização deste canivete (ou até mesmo, a compensação de uma ferramenta necessária mas que não esteja alí) vai depender da sua criatividade e auto-confiança. Como diria Vigostsky, devemos estimular a zona de desenvolvimento proximal, deixar o aluno extrair a sua própria versão de como utilizar o conhecimento, dentro de suas habilidades e necessidades, facilitando o aprendizado do que vem a seguir ao invés de considerarmos que els está ou não está pronto para saber isto ou aquilo.
Por favor, sintam-se à vontade para se utilizarem qualquer parte deste email que possam crer ser útil. Parabéns e obrigado por existirem,
Marcos Chimenti ICQ 17646041
PS* Tirei o Michigan (pelo IBEU) em 1985 por acreditar ser este (apesar de meu treinamento ter sido feito com o material do TOEFL) o teste principal teste para quem desejasse cursar o TTC e por este ter uma validade de 5 anos. Qual é a relação entre o TOEFL e o Michigan agora?
Prezado Marcos,
Obrigado por seus bem fundamentados comentários de elogio ao nosso trabalho. Concordamos 100% com você em todos os detalhes e temos certeza que, quanto mais você ler de nossas páginas, tanto mais pontos de coincidência você encontrará. Realmente, o conceito de language acquisition representa um certo desafio para o instrutor que trabalha com adultos monolíngües que se recusam a tentar pensar na ausência das formas da língua materna, aqueles denominados absolute beginners. A sua abordagem nesses casos é acertada. O TOEFL e o Michigan são ambos exames de avaliação de proficiência em inglês que procuram retratar o grau de proficiência do examinado naquele momento. Ambos alcançam o objetivo, dentro das limitações inerentes à tarefa. A única diferença é que, no ramo de ESL, todos conhecem o TOEFL enquanto que muitos nunca ouviram falar do Michigan, cuja popularidade restringe-se ao Brasil e à Grécia.
Atenciosamente, Ricardo - EMB
 

Date: Apr 21, 1999
From: "Geanne Serique" <sgeanne*hotmail.com>
Subject: Ensino de línguas no Brasil
Prezada Geanne,
Confesso-lhe que não conheço bem a Lei de Diretrizes e Bases e também não sei se entendi bem o significado de "transversais". Posso lhe afirmar com certeza, entretanto, que o elemento cultural é peça fundamental em qualquer programa de língua estrangeira. Língua e cultura são duas faces de uma mesma moeda. O programa de língua estrangeira deve objetivar além de proficiência na língua (comunicativa), também competência na cultura estrangeira e consciência global. Por esta razão é que defende-se hoje um ensino de línguas que possibilite o aprendizado como fruto de convívio, fruto de situações reais de interação humana em ambientes de cultura estrangeira. Por esta razão também uma das qualidades indispensáveis de um professor de inglês é plena competência cultural.
Quanto à corrida pelo certificado e à importância a ele dada, trata-se de um problema enraizado em nossa cultura brasileira: o culto ao documento como instrumento de comprovação. Aqueles que se deixam influenciar por isso não percebem que o que vale mesmo é a habilidade adquirida e demonstrada.
Quanto à sofrível competência da maioria dos professores hoje disponíveis, este é um problema cuja raíz está no currículo dos cursos de licenciatura em letras. Veja o que pensamos sobre o assunto em:
Deficiências do Ensino de Línguas no Brasil,
O Papel do Governo na Erradicação do Monolingüísmo,
A Obrigação da Escola,
O Papel dos Pais e
Rumos para o Ensino de Línguas no Brasil.
Veja também: O Que É um Bom Professor.
Obrigado por sua inteligente participação e aceite nosso convite para continuar participando.
Atenciosamente, Ricardo - EMB

Date: Dec 18, 1999
From: F. Brian <abrian*zaz.com.br>
Subject: ESL and globalization
Dear Brian,
Thank you for visiting our site. You are not blind. You have a clear way of seeing things, and thanks to our ability to understand English, we can read what people like you think.
I agree with you that we need English as we need food. See the upper-middle class Brazilian families who are proud to have their silly teenagers going to Disneyworld. If they were English-proficient, they would've had a chance to travel off the beaten path to see the world's cultural diversity, or perhaps to read Chomsky's pamphlet about manufacturing consent. And today they would be encouraging their children to do similar things, rather than taking them to MacDonald's and letting them watch American industrialized movies on television.
You must be worried about package English courses in Brazil railed to a lesson plan and course books that boast the American eagle on the cover and include "cultural points", and whose "teachers with experience abroad" spent a month or two in the US and made sure to visit Disneyworld.
The language teaching we support is learner-centered, geared towards the student's interests. If they are against globalization, they'll learn to express themselves in convincing language.
If you are a foreigner and become proficient in Portuguese, it doesn't mean you'll enjoy watching Silvio Santos on Sundays. You even may, but that will be your choice.
Multi-language proficiency is not slavery, but a tool to protect your freedom. As monolinguals we are more vulnerable to manipulation. Perhaps if the native Americans from Tierra del Fuego to Alaska could have spoken some English, Spanish and Portuguese, they would have survived better the European greed in the 16th century.
The English schools we support and accept as sponsors are in need of teachers that think like you. Are you interested?
Thank you for participating.
Regards, Ricardo - EMB
Date: 6 Sep 1999
From: "KLT" <klter*earthlink.net>
Subject: Black English
Funny and no coincidence that my daughter Alice came back from Georgia also speaking Black English. Where does this fad come from?
Ricardo - EMB

Date: 19 Jun 1999
From: "José Archangelo Olivato" <jose*elektro.com.br>
Subject: esperanto
Prezado José,
Obrigado pela mensagem acima. É este tipo de participação, questionando, opinando, divergindo, ou esclarecendo, que faz o nosso site ser a voz mais respeitada no país em assuntos de lingüística.
Seus argumentos são irrefutáveis. Reconheço a impropriedade da palavra "excêntricos" para me referir aos aficionados do esperanto.
Arrisco-me a reafirmar, entretanto, dentro de uma visão pragmática, e como observador do fenômeno lingüístico, que o esperanto não passa e não passará de uma nobre tentativa. Da mesma forma que muitos vêm a gramática como um conjunto de regras prescritivas, sem se darem conta de que se prescritiva fosse a gramática, deveríamos estar falando latim vulgar, ou melhor, latim clássico porque a gramática não teria permitido o surgimento do vulgar, também os esperantistas, ofuscados pelo sonho luminoso de um mundo igualitário, unido por uma linguagem universal neutra, que respeita a todos sem favorecer nenhum, deixam de ver o fato inegável de que o fenômeno lingüístico inerente ao ser humano, é igual a ele próprio: arbitrário, irregular, complexo, confuso, em constante evolução, incontrolável. A imprescritibilidade das linguagens já existentes bem demonstra a impossibilidade de se instituir qualquer linguagem artificial inteiramente recriada.
Quanto à desvantagem em que se encontram todos aqueles que não falam inglês e vêem-se na obrigação de aprendê-lo, permita-me estbelecer uma analogia com a navegação, esta arte que trouxe o português para o Brasil:
Permita-me também questionar a suposta vantagem que a adoção de uma determinada língua traria aos nativos da mesma. À medida em que o mundo se transforma numa vila global, todos, em questão de duas ou três gerações, serão bilingües e multiculturais, exceto eles, os falantes nativos da língua adotada, os quais se encontrarão culturalmente e comercialmente inferiorizados. A polêmica a respeito de educação bilingüe nos Estados Unidos bem demonstra a preocupação deles com relação a esse perigo iminente.
Finalmente, com relação à dificuldade de acesso a um aprendizado altamente qualificado de inglês, permita-me lembrar-lhe que defendemos a idéia e demonstramos facilmente tratar-se de um projeto simples e barato, bastando para isso vontade política e pequenos ajustes burocráticos. A criação de núcleos de convívio internacional e de intercâmbio lingüístico e cultural dentro de cada escola - escola pública - praticamente não requer investimento. Veja mais sobre isso em nossa página sobre: A Responsabilidade da Escola na Erradicação do Monolingüísmo.
Obrigado pela inteligência de sua intervenção e, por favor, continue participando.
Atenciosamente,
Ricardo - EMB

Date: 14 May 1999
From: KLT <kter*iupui.edu>
Subject: politically correct

Date: Fri, 26 Feb 1999
From: "Ruocco" <ruocco*laser.com.br>
Subject: coin sizes

Date: Sun, 10 Jan 1999
From: "Caia Fittipaldi" <mcfitti*uol.com.br>
Subject: concordância semântica

Date: Tue, 24 Nov 1998
From: "Edgar Miller" <EBM*steelhector.com>
Subject: bibliografia sobre redação de contratos em inglês
Dear Edgar,
Thank you for visiting our site and for your contribution. Unfortunately, we cannot help you with Portuguese contract drafting. Professional writing hasn't been brought in Brazil to the same degree of importance as in the U.S.
Regards, Ricardo - EMB
Date:
Sat, 21 Nov 1998
From: "André Salles II" <awsalles*server3.splicenet.com.br>
Subject: uso de maiúsculas
Muito obrigado André. As substituições serão feitas.
Ricardo - EMB
Date: Thu, 17 Sep 1998
From: "Tomaselli" <elainet*widesoft.com.br>
Subject: letras de músicas

Date: Jan 31, 1998
From: Doug Finlayson <dougf*mrm.mb.ca>
Subject: preposições in e on
Dear Doug,
Thank you very much for visting our web site and specially for your collaboration. With your permission I'll post it in the page of "colaborações" and I'll add your observation to my answers.
Regards,
Ricardo - S&K, ESL
Date: Dec 24, 1977
From: Dale Bricker <delegz*rpi.edu>
Subject: ain't
 
Dear Dale,
Thank you very much for your cooperation. I will immediately revise the answer in the web site. Keep participating.
Sincerely,
Ricardo - English Made in Brazil
Date: Thu, 09 Jan 1997
From: "P. Damian Quinn" <talisman*brasilnet.com.br>
Subject: teaching method
Dear Damian,
Thank you for your nice message. I was flattered.
In our school, we don’t really stick to any method, plan or course of lessons. We have qualified ESL teachers, always native speakers with both academic and practical knowledge, give them a blank check, and respect each one’s style. We strongly believe that language is a result of human interaction. More than any other area of the curriculum, languages acquisition depends on natural learning methods. So, we totally rely on the native speaker’s ability and our only recommendation to our instructors is to build a strong personal relationship with each student.
As for myself, I use a combination of audiolinguistic exercises (predominantly with beginners) with what I call a psycholinguistic approach with intermediate and advanced students. The audiolinguistic work is based on a set of very well designed exercises for classroom practice that help students to achieve a strong basis in sentence formation. Careful study of contrastive analysis and error analysis, ensure efficiency.
Please see <http://www.english.sk.com.br/sk-mthen.html> for more.
Sincerely, Ricardo - S&K
 

Perguntas & Respostas  |  Mensagens do Público  |  Menu Principal  |  Equipe  |  Missão  |  Patrocinadores