OS FONEMAS VOGAIS DO INGLÊS E DO PORTUGUÊS
ENGLISH AND PORTUGUESE VOWEL PHONEMES COMPARED
Ricardo Schütz
Atualizado em 28 de maio de 2008

PHONOLOGY

Each language makes a different use of the articulatory system and phonology is the study of the sound patterns of the language, especially its matrix of phonemes.

What is a phoneme?
Phoneme the smallest unit of sound in a language that serves to distinguish two words.

Example 1:
/pIt/ pit   and /bIt/ bit are different words with different meanings.  The only distinction relies on the manner of articulation of the bilabial consonant.  Therefore /p/ and /b/ are different phonemes in English.

Coincidentally in Portuguese the bilabial consonant can also be realized in different ways to produce two different phonemes (ex: pico and bico).

Example 2:
/biyt/ beet   and /bIt/ bit are also different words with different meanings.  The only distinction relies on the manner of articulation of these high-front vowels.  Therefore /iy/ and /I/ are different phonemes in English.

In Portuguese however there is only one high-front vowel phoneme, as in vida or linda.  Any variation in the highness or frontness of this vowel will be perceived simply as variations of the same phoneme.

Conclusion:
Different languages have different phonemes and have them in different numbers. In other words, they use different phonological matrixes.

In the beginning learners will perceive sounds in the target language to be phonologically similar to native language sounds.  Without proper coaching, they will internalize their own modified phonologigal matrix based on a combination of similar sounds in the two languages, causing "foreign accent".


Here I'm going to present the inventory of vowel phonemes of English and Portuguese, as part of the phonological matrixes of the two languages. The language varieties used in this phonological analysis are the American and the Brazilian. When I here refer to vowels, I mean vowel sounds (phonemes).  I do not refer to letters of the alphabet (graphemes).

VOWELS

Vowels are speech-sounds produced by a continuous flow of air and vibration of vocal cords.  In the majority of the languages the difference between vowels is perceived not in intensity nor pitch, but in the timbre of the sound.  Different timbres are produced by the position of the tongue in the mouth, changing the shape of the oral cavity.  Vowel sounds can thus be realized on a continuum by an almost infinite number of intermediate positions of the tongue inside the oral cavity.

In less compact languages, with a small number of 1-syllable words and a higher average of syllables per word, the number of phonemes does not need to be large and the difference between each vowel can be bigger.  This is the case of Spanish (5 vowel phonemes) and Portuguese (7 vowel phonemes).  English, however, is a language extremely economic in the use of syllables, very compact, with a large number of 1-syllable words.  Naturally, this requires a larger number of vowel phonemes to supply the bigger "demand" of a system with a reduced number of possible combinations.

Phonological systems with a large number of vowel phonemes, require additional hearing accuracy from the speakers in recognition and production.  The problem is aggravated by the fact that there are no distinct boundaries between one type of vowel or another.  When describing consonants the categories are much more distinct.  A sound may be a stop or a fricative, but it can hardly be half way between the two.  It is perfectly possible, however, to produce a vowel that is half way between a high vowel and a mid vowel.  Therefore, achieving the correct vowel position is perhaps the most significant and persistent problem not only for learners of English as a foreign language that speak Portuguese or Spanish as a native language, but also for speakers of all languages that do not have as large a number of vowels in the spectrum as English.

The number of vowels with phonemic significance, therefore, is a determining factor in the degree of difficulty to attain oral proficiency and a good pronunciation.  Although in this work we identify only eleven vowels for American English, Mazurkiewicz (69) counted at least fifteen vowels whereas D’Eugenio found even more:

    “It is a well-known fact that English is phonetically rich in vowels, containing not less than twenty vocalic phonemes (twelve pure vowels and eight diphthongs)”  (54).

Given the inherent limitations of the human speech articulatory system, it follows that all possible vowel sounds will fall necessarily on the same spectrum (see figure below) and that the difference between one phoneme and the next may well reach the limit of the human hearing perception.

The higher the number of vowels, the more subtle the difference among them will be.  For this reason, it can become extremely difficult to maintain a clear distinction between phonemes in such an “enriched inventory” of phonemic units (as in English) produced by such a limited articulatory system.  This problem is inherently more difficult in the sense of initial language acquisition when it takes longer for the child to learn to distinguish among all the vowels, and particularly harder for the foreign language learner when the native language has a smaller number of phonemes than the target language.  The same way that Spanish native speakers have an obvious difficulty to tell apart Portuguese words like and pé, vô and vó, Portuguese native speakers will have a hard time hearing the difference between certain English vowels, as we will explain below.

NASALITY:  One fact to be addressed when analyzing vowel speech sounds is nasality. Nasality is produced by the lowering of the velum, so that part of the air stream is free to pass through the nasal cavity which functions as a resonance chamber.  It alters the sound just by adding a new feature but leaving all the other features unchanged and unobscured.

Portuguese is notorious for its strong nasality.  In certain dialects it can actually be considered phonemic and a stricter phonological analysis of the language would identify at least 3 additional nasal vowel phonemes as demonstrated by the following minimal pairs:

lá - lã
pau - pão
pais - pães

The fact that Portuguese (as well as French and Polish, among the European languages) makes large use of the additional distinctive phonetic feature of nasalization reinforces the argument presented here.  On the one hand, the nasality of Portuguese will represent a difficulty for foreign learners and cause an obvious foreign accent, and on the other hand, it does not help at all Brazilian learners of English.  They will actually face two difficulties: suppressing nasality and still dealing with the large inventory of vowel phonemes of English, produced by only one distinctive feature - minimal differences of tongue position.

TENSENESS:  This is another distinctive feature in speech sounds that deserves attention.  Tenseness, produced by the tension of the vocalization muscles, is a characteristic that occurs in 4 of the English vowels while nonexistent in Portuguese.  This represents an additional probability of foreign accent for both types of learners.

FONOLOGIA

Cada língua faz um uso diferente do aparelho articulatório, e fonologia é o estudo das características fonéticas da língua, em especial de sua matriz de fonemas.

O que é um fonema?
Fonema é a unidade mínima de som da língua que diferencia palavras entre si.

Exemplo 1:
/pIt/ pit   e /bIt/ bit são palavras diferentes, com significados diferentes, cuja única distinção fica por conta da consoante bilabial.  Portanto, /p/ e /b/ são fonemas diferentes em inglês.

Coincidentemente, a consoante bilabial também é articulada de formas diferentes para produzir dois fonemas diferentes (ex: pico e bico).

Exemplo 2:
/biyt/ beet   e /bIt/ bit são também palavras diferentes, com significados diferentes, cuja única distinção fica por conta da maneira de articular essas duas vogais altas-frontais.  Portanto, /iy/ e /I/ são fonemas diferentes em inglês.

Em português, entretanto, existe apenas uma vogal alta-frontal, como por exemplo nas palavras vida e linda.  Qualquer variação no grau de altura ou frontalidade desta vogal, será percebida simplesmente como variações do mesmo fonema.

Conclusão:
Diferentes línguas possuem fonemas diferentes, em qualidade e número.  Em outras palavras, diferentes línguas fazem uso de matrizes fonológicas diferentes.

No início, o aprendiz vai perceber os sons da língua estrangeira como sendo semelhantes aos sons da língua materna.  Sem a devida orientação, irá basear sua pronúncia num modelo acústico intermediário entre os sons das duas línguas, ao invés de baseá-la no modelo acústico específico da língua estrangeira, assim como ocorre no aprendizado da língua materna.  Em outras palavras, o aprendiz criará e assimilará sua própria versão de matriz fonológica, caracterizando seu "sotaque".


Os dialetos usados nesta análise fonológica de vogais são o inglês norte-americano e o português do Brasil e, quando aqui falamos de vogais, estamos nos referindo aos sons e não às letras do alfabeto.  Ou seja, estamos falando de pronúncia e não de ortografia; de fonemas e não de grafemas.  Por exemplo, nas palavras e do português temos dois fonemas vogais diferentes.

VOGAIS

Vogais são sons da fala humana produzidos por um fluxo de ar contínuo, acompanhado de vibração das cordas vocais.  O que diferencia uma vogal da outra, na maioria das línguas, não é a intensidade nem a freqüência, mas o timbre.  Diferentes timbres são produzidos pelo posicionamento da língua na boca, que muda a forma da cavidade bucal.  Sons vogais variam portanto de forma contínua, podendo ser produzidos por um número praticamente infinito de posições intermediárias da língua dentro da cavidade bucal.

Em línguas menos compactas, com menor ocorrência de palavras monossilábicas e com uma média superior de sílabas por palavra, o número de fonemas não precisa ser tão grande e a diferença entre cada vogal pode ser maior.  Este é o caso do espanhol (5 fonemas vogais) e do português (7 fonemas vogais).  O inglês, entretanto, é uma língua notadamente econômica no uso de sílabas, compacta, com um grande número de palavras monossilábicas.  Isto naturalmente exige um número maior de fonemas vogais para atender a essa maior "demanda" de um sistema com um número reduzido de combinações possíveis.

Em sistemas fonológicos com um grande número de fonemas vogais, a diferença entre cada um tende a ser mínima, o que exige uma maior acuidade auditiva de parte dos falantes dessa língua tanto no reconhecimento quanto na produção oral.  O problema é agravado pelo fato de que não existem delimitações claras e precisas entre vogais.  No estudo da fonologia, a descrição e a classificação das consoantes é muito mais fácil.  Um som pode ser uma oclusiva ou uma fricativa, mas dificilmente poderá ser classificado como algo intermediário.  É perfeitamente possível, entretanto, produzir sons intermediários entre uma vogal alta e uma média.  Portanto, este talvez seja o maior e mais persistente problema não apenas para estudantes de inglês como língua estrangeira que falam português ou espanhol como língua materna, mas para todos aqueles cujas línguas não possuem um número tão grande de vogais dentro do espectro vocálico quanto o inglês.

O número de vogais com relevância fonêmica em uma língua é portanto um fator determinante do grau de dificuldade em se obter proficiência oral e uma boa pronúncia.  Embora neste trabalho tenhamos identificado apenas onze vogais para o inglês norte-americano, Mazurkiewicz (69) relacionou pelo menos quinze vogais, ao passo que D’Eugenio encontrou ainda mais:

“É notório o fato de que o inglês é rico no número de vogais, contendo nada menos do que vinte fonemas vocálicos (doze vogais puras e oito ditongos)”  (54, minha tradução).

Considerando a anatomia do sistema articulatório humano que produz a fala, suas limitações, e considerando o fato óbvio de que não existem diferenças fisiológicas no aparelho articulatório entre pessoas de diferentes nacionalidades, podemos concluir que todos os sons vogais, de todos os idiomas possíveis, recairão sobre o mesmo espectro (veja figura abaixo) e que as diferenças entre um fonema e outro próximo poderão chegar ao limite da perceptibilidade da audição humana.

Portanto, quanto maior for o número de vogais de uma determinada língua, tanto menor e mais sutil será a diferença entre elas.  Desta forma, torna-se muito difícil manter uma distinção clara entre vogais dentro de um inventário tão repleto de fonemas (como no inglês) e, ao mesmo tempo, produzido por um aparelho articulatório tão limitado.  Em primeiro lugar, este é um problema que afeta a assimilação da língua materna, fazendo com que a criança leve mais tempo até conseguir distinguir todas as vogais.  Em segundo lugar, e com maior insistência, o estudante de língua estrangeira será afetado, principalmente quando a língua materna tiver um número de vogais menor do que o número de vogais da língua estrangeira. Da mesma forma que falantes nativos de espanhol exibem uma notória dificuldade em distinguir as vogais do português nas palavras e pé, vô e , também nós que temos o português como língua materna, temos dificuldades evidentes em distinguir determinadas vogais do inglês, como será mostrado abaixo.

NASALIDADE:  Uma questão a ser analisada no estudo da fonética, é a nasalidade.  A nasalidade é produzida pelo rebaixamento parcial de uma membrana chamada palato mole ou véu palatino, de maneira que nas vogais, parte do fluxo de ar passa através da cavidade nasal, a qual funciona então também como câmara de ressonância.  Isto altera o som apenas pelo fato de acrescentar uma característica nova, deixando as demais características da vogal inalteradas.

O português é notório pela forte nasalidade que o caracteriza.  Em alguns dialetos, esta nasalidade pode adquirir relevância fonêmica (não apenas fonética) e uma análise fonológica minuciosa da língua vai identificar pelo menos 3 fonemas vogais nasais além dos relacionados neste estudo, como demonstram os seguintes pares mínimos:

lá - lã
pau - pão
pais - pães

O fato de o português (assim como também o francês e o polonês) fazer largo uso da nasalidade reforça o argumento aqui apresentado.  Por um lado, a nasalidade do português representa uma dificuldade para aprendizes estrangeiros, se constituindo em mais um elemento causador de interferência e sotaque.  Por outro lado, a nasalidade do português em nada ajuda seus falantes nativos em seu aprendizado de línguas estrangeiras.  Pelo contrário, os aprendizes brasileiros de inglês, enfrentam uma dupla dificuldade: eliminar a nasalidade ao mesmo tempo em que enfrentam o desafio de assimilar um sistema com um número maior de vogais cuja única característica diferenciadora são as mínimas diferenças no posicionamento da língua.

TENSÃO:  É outra característica diferenciadora na articulação de sons vogais que merece atenção.  Produzida pela tensão dos músculos articuladores, é uma característica que pode ser observada em 4 das vogais do inglês, enquanto que inexistente em português.  Representa portanto uma probabilidade adicional de sotaque estrangeiro, tanto para aprendizes brasileiros de inglês como para falantes nativos de inglês que aprendem português como língua estrangeira.

Espectro das vogais
  Spanish, Portuguese and English vowel phonemes on the sound spectrum of human speech
 
The above English vowel phonemes occur in words like: Os fonemas vogais do inglês, acima representados, ocorrem tais como nas palavras: The above Portuguese vowel phonemes occur in words like: Os fonemas vogais do português, acima representados, ocorrem tais como nas palavras:
      /iy/ - beat /biyt/ *
      /I/ -
      bit /bIt/
      /êy/ -
      bait /bêyt/ *
      /e/ -
      bet /bet/
      /
      æ/ - bat /bæt/
      /
      a/ - father /'faðer/
      /ə/ -
      but /bət/
      /o/ -
      bought /bot/
      /ôw/ -
      boat /bôwt/ *
      /U/ -
      book /bUk/
      /uw/ -
      boot /buwt/ *
      /i/ - ali /ali/
      /ê/ -
      ele /êli/
      /é/ -
      /pé/
      /a/ -
      /la/
      /ó/ -
      /pó/
      /ô/ -
      ovo /ôvu/
      /u/ -
      uva /uva/
* Glided and tense vowels: For the representation of the English glide vowels (also called tense vowels) I prefer a two-character transcription including the off-glides, to distinguish them from the lax vowels.
OBS: Omitimos aqui as vogais nasais na descrição fonológica
do português, em benefício de uma maior simplificação.

PROBABLE ERRORS WITH VOWELS:  

These are the most common errors with the English vowels made by Portuguese native speakers.

A) The first problem, and perhaps the most evident, will occur in the vicinity of the front/high vowels.  The English /iy/ and /I/ are very likely to be perceived and produced as Portuguese /i/, thus neutralizing the contrast between words like:

PROVÁVEIS ERROS COM VOGAIS:     

Estes são provavelmente os erros mais comuns com as vogais do inglês de estudantes cuja língua materna é português.

A) O primeiro problema, e talvez o mais evidente deles, ocorre na área das vogais anteriores altas.  Os fonemas /iy/ e /I/ do inglês muito provavelmente serão percebidos e reproduzidos como /i/ do português, neutralizando portanto o único contraste entre palavras como:
beach /biytsh/ - bitch /bItsh/
bead /biyd/ - bid /bId/
beat /biyt/ - bit /bIt/
cheap /tshiyp/ - chip /tshIp/
eat  /iyt/ - it /It/
feel /fiyl/ - fill /fIl/
feet /fiyt/ - fit /fIt/
green /griyn/ - grin /grIn/
heat /hiyt/ - hit /hIt/
heel /hiyl/ - hill /hIl/
lead /liyd/ - lid /lId/
leap /liyp/ - lip /lIp/
least /liyst/ - list /lIst/
leave /liyv/ - live /lIv/
meal /miyl/ - mill /mIl/
neat /niyt/ - knit /nIt/
peel /piyl/ - pill /pIl/
reach /riytsh/ - rich /rItsh/
scheme /skiym/ - skim /skIm/
seat  /siyt/ - sit /sIt/
seek  /siyk/ - sick /sIk/
sheep /shiyp/ - ship /shIp/
sheet /shiyt/ - shit /shIt/
sleep /sliyp/ - slip /slIp/
steal /stiyl/ - still /stIl/
wheel /wiyl/ - will /wIl/

 
Since the English phonemes /iy/ and /I/ carry a very heavy functional load, any neutralization in this area becomes a problem of major significance.
Uma vez que os fonemas /iy/ e /I/ do inglês têm uma carga funcional muito ampla, isto é, ocorrem com muita freqüência como único elemento diferenciador, qualquer neutralização nesta área pode representar um sério problema.

B) Another problem likely to occur is around the English /æ/.  Both English phonemes /e/ and /æ/ will be perceived as Portuguese /é/, which is in fact a little closer to English /e/ than /æ/.  This will neutralize the contrast between words like:
B) Outro problema de provável ocorrência situa-se na área dos fonemas /æ/ e /e/ do inglês.  Ambos serão percebidos como /é/ do português, cuja posição de articulação é intermediária, um pouco mais próxima de /e/ do que de /æ/.  Este desvio neutraliza o contraste entre palavras como:
bed /bed/ - bad /bæd/
beg /beg/ - bag /bæg/
dead /ded/ - dad /dæd/
end /end/ - and /ænd/
flesh /flesh/ - flash /flæsh/
gem /dzhem/ - jam /dzhæm/
guess /ges/ - gas /gæs/
head /hed/ - had /hæd/
lend /lend/ - land /lænd/
men /men/ - man /mæn/

met /met/ - mat /mæt/
pen /pen/ - pan /pæn/
said /sed/ - sad /sæd/
send /send/ - sand /sænd/
shell /shel/ - shall /sæl/
then /ðen/ - thanæn/
 

C) The English mid-central /ə/, especially when stressed, has no counterpart in Portuguese, which causes the possibility of phonological error in words like but /bət/ and rubber /'rəbər/.
Also, its unstressed and reduced form, named “schwa”, is likely to become a persistent problem if we consider that Portuguese unstressed vowels are not normally reduced.  Very likely Brazilian ESL students will be influenced by spelling in this area.  Example: the word photographer might be pronounced /fô'tógrafêr/ instead of the correct /fə'tagrəfər/.

See more about vowel reduction at: http://www.sk.com.br/sk-reduc.html

C) A vogal média-central neutra /ə/ do inglês, especialmente quando tônica, não têm equivalente em português, o que significa possibilidade de erro fonológico em palavras como but /bət/ e rubber /'rəbər/.
Também a forma reduzida e atônica deste fonema, denominada "xevá" ou "xuá", (de alta ocorrência no inglês), representa uma notória dificuldade mesmo a longo prazo.  Isto porque no português vogais atônicas não são reduzidas e neutralizadas como em inglês.  É muito provável que o aluno brasileiro venha a ser influenciado pela ortografia neste caso.  A palavra photographer, por exemplo, poderá vir a ser pronunciada /fô'tógrafêr/ em vez do correto /fə'tagrəfər/.

Veja mais sobre redução de vogais em: http://www.sk.com.br/sk-reduc.html


D) Portuguese native speakers will also experience difficulty distinguishing between English /a/ and /o/.  Most of the times /a/ will be perceived as Portuguese /ó/.  This is reinforced by the fact that the English /a/ is many times spelled with the letter “o”, often corresponding in Portuguese to /ó/ as in pó, which is very similar to English /o/ as in law.  This may cause foreign accent in some dialects, with the possibility of phonological error in minimal pairs like:
D) Brasileiros encontrarão dificuldade para distinguir entre os sons de /a/ e /o/ do inglês.  Na maioria das vezes /a/ será percebido como /ó/ do português.  Este problema é agravado pelo fato de que o fonema /a/ do inglês é muitas vezes representado na ortografia pela letra “o”, a qual freqüentemente corresponde, em português, a /ó/, como na palavra .  Sendo /ó/ do português muito parecido com /o/ do inglês, como por exemplo na palavra law, haverá possibilidade de erro fonológico, como nos seguintes exemplos:
collar /'kalər/ - caller /'kolər/
cot /kat/ - caught /kot/
are /ar/ - or /or/

E) Another source of problems will be the back/high vowels.  The Portuguese /u/ falls right between English /U/ and /uw/.  As a result, perception and production of these phonemes will follow the single pattern of Portuguese /u/, neutralizing the contrast between words like:
E) Outra área de notória dificuldade para brasileiros é a das vogais posteriores altas.  O fonema /u/ do português tem uma posição de articulação intermediária e conseqüentemente um som exatamente intermediário entre /U/ e /uw/ do inglês.  O resultado disto é que estes fonemas serão percebidos e reproduzidos como /u/, neutralizando portanto o único contraste entre palavras como:
full /fUl/ - fool /fuwl/
look /lUk/ - Luke /luwk/ 
pull /pUl/ - pool /puwl/ 

stood /stUd/ - stewed /stuwd/

PRONUNCIATION MODELS

The memorization of pronunciation models can help with articulation difficulties in the target language. The following sentences provide good vowel pronunciation models, because they exhibit the whole inventory of English vowels.

FRASES-MODELO PARA PRONÚNCIA DE VOGAIS

Decorar com pronúncia correta um modelo contendo todas as vogais do inglês, pode ser de grande valia para o aluno de inglês. As frases abaixo constituem-se excelentes modelos de pronúncia de vogais.

       Lee bit Ray's best hat.   - O Lee mordeu o melhor chapéu do Ray.
      /iy//I//êy/ /e//æ/
       
      Stew pushed Joe off the cot.   - O Stew empurrou o Joe para fora da cama de campanha.
      /uw//U/  /ôw//o/ /ə//a/
     
     She   is    acing ten classes using the books and notes always honestly.
    /iy//I//êy/ /e/ /æ/ /uw/  /ə//U/     /ôw/ /o/    /a/
    Ela está fazendo com perfeição dez matérias usando os livros e as anotações sempre honestamente.
The above sentences not only portray the full inventory of vowels, but also place them on a scale ranging from front-high to front-low in the first example and from back-high to mid-low in the second example. The student who memorizes these sentences with the right pronunciation will have available at all times the matrix of English vowel sounds to resort to.

Sentences featuring minimal pairs which contrast commonly mistaken phonemes are also worth memorizing. Consider the following examples:

Além de portarem o inventário completo de fonemas vogais do inglês, as frases acima os colocam em escalas variando da posição frontal-alta para frontal-baixa no primeiro exemplo, e de posterior-alta para média-baixa no segundo exemplo. A pessoa que tiver decorado totalmente as frases acima, com pronúncia exata, terá sempre à sua disposição a matriz completa das vogais do inglês.

Também úteis são frases curtas que contrastam sons vogais próximos e facilmente confundidos e neutralizados pelo aluno. Veja os seguintes exemplos:

        Please, sit in this seat.   - Por favor, sente-se neste assento.
        /iy/ /I//I//I//iy/
         
        The gem fell in the jam.   - A pedra preciosa caiu na geléia.
           /e/ /e/     /æ/
         
        Pull me out of the pool.   - Puxe-me para fora da piscina.
        /U/            /uw/

Agradecemos a Dan Donovan por sua participação como modelo de pronúncia.
BIBLIOGRAFIA
Azevedo, Milton M. A Contrastive Phonology of Portuguese and English. Georgetown University, 1981.
Dauer, Rebecca M. Accurate English: a Complete Course in Pronunciation. Prentice Hall Regents, 1993.
D'Eugenio, Antonio. Major Problems of English Phonology. Foggia, Italy: Atlantica, 1982.
Mazurkiewicz, Albert J. Teaching about Phonics. New York: St. Martin's, 1976.
Nilsen, Don L.F., and Alleen Pace Nilsen. Pronunciation Contrasts in English. New York: Regents, 1973.

FAÇA AQUI UM TESTE PARA AVALIAR O QUE VOCÊ SABE A RESPEITO DE PRONÚNCIA
VISITE O EXCELENTE SITE SOBRE PRONÚNCIA DO OKANAGAN COLLEGE
STUDY PORTUGUESE IN BRAZIL

Como fazer uma citação desta página:
Schütz, Ricardo. "Os Fonemas Vogais do Inglês e do Português." English Made in Brazil <http://www.sk.com.br/sk-voga.html>. Online. 28 de maio de 2008.
Observe que ao citar textos encontrados na Internet, é necessário colocar a data, devido às freqüentes alterações que os mesmos podem sofrer.
Estes materiais são propriedade intelectual de S&K - ESL, nosso patrocinador
Não deixe de citar a fonte. Diga não ao plágio.

O que é língua?
História da Língua Inglesa
Inglês, a Língua do Mundo
 -  O Inglês e o Português no Mundo
O Fim do Monolingüismo
Aprendizado de Línguas
 -  Que significa "aprender inglês"?
 -  Language Acquisition x Learning
 -  The Communicative Approach
 -  Interlíngua e fossilização
 -  Tradução mental não funciona
 -  O que é talento para línguas?
 -  O bom aprendiz
Por que crianças aprendem melhor?
 -  O papel dos pais
 -  O papel da escola
 -  O papel do governo
Como escolher um curso de inglês
 -  O que é um bom professor
 -  Nativo x não-nativo
 -  Bibliografia do professor de inglês
Rumos para o ensino de línguas
 -  Centros de Convívio Multicultural
Como abrir uma escola de línguas
 -  Marketing na Educação
Pronúncia
 -  Sinalização Fonética
          -  Sinalização Ortográfica
 -  Interferência da Ortografia
 -  Regras de Pronúncia
          -  Pronúncia do Passado
 -  Vogais do Inglês e do Português
 -  Consoantes Inglês x Português
          -  Flapping Rule
 -  Acentuação Tônica (Word Stress)
 -  Rhythm & Vowel Reduction
          -  Can & can't
 -  Dicas sobre pronúncia
Word Formation (Morfologia)
Vocabulário
 -  Falsos Conhecidos
 -  Palavras de Múltiplo Sentido
          -  English Lexical Ambiguity
 -  Make, Do, Take & Get
 -  Contrastes Idiomáticos
 -  Provérbios
 -  Verbos Irregulares
Etimologia (Word Histories)
American x British
Gramática
 -  Erros Comuns
 -  Perfect Tense
 -  To & For
 -  Phrasal Verbs
 -  Preposition-Dependent Words
Interpretação de Textos (Reading)
Como Redigir em Inglês (Writing)
 -  Palavras Conectivas (Transitions)
 -  Como não redigir e como traduzir


Menu principal    |    Missão    |    História