O PAPEL DA ESCOLA NA ERRADICAÇÃO DO MONOLINGUISMO

Ricardo Schütz

O que tem ocorrido ao longo do tempo é que a responsabilidade sobre o papel formador das aulas de Línguas Estrangeiras tem sido, tacitamente, retirado da escola regular e atribuído aos institutos especializados no ensino de línguas. Assim, quando alguém quer ou tem necessidade, de fato, de aprender uma língua estrangeira, inscreve-se em cursos extracurriculares, pois não se espera que a escola média cumpra essa função.
Às portas do novo milênio, não é possível continuar pensando e agindo dessa forma. É imprescindível restituir ao Ensino Médio o seu papel de formador. Para tanto, é preciso reconsiderar, de maneira geral, a concepção de ensino e, em particular, a concepção de ensino de Línguas Estrangeiras.
... o Ensino Médio possui, entre suas funções, um compromisso com a educação para o trabalho. (Parâmetros curriculares nacionais, códigos e suas tecnologias. Língua estrangeira moderna. Brasília: MEC, 1999. pp 49-63.)

Es por esto, que las escuelas deben de considerar un desarrollo multicultural en sus salones de clase para proveer un ambiente social que apoye el aprendizaje del niño y la adquisisión de un segundo idioma. (Anna I. Escalante, St. Thomas University, Houston TX 05/1997).

INTRODUÇÃO

A atual transformação do mundo em direção a uma comunidade globalizada é mais rápida do que parece. No Brasil, pais conscientes das exigências deste mundo moderno e preocupados em proporcionar o melhor para seus filhos, precisam hoje gastar, além dos cerca de 4.000 reais por ano de escola secundária particular, mais 1.200 em cursos de inglês. As escolas, por sua vez, sem terem uma visão clara de o que significa "aprender inglês", e insistindo numa abordagem ao ensino de línguas inspirada ainda em metodologia do início do século, comprovadamente ineficaz, deixam de cumprir plenamente com suas atribuições: a de proporcionar as qualificações básicas necessárias ao indivíduo de uma sociedade em processo de globalização irreversível.

FATOS A SEREM CONSIDERADOS:

CONCLUSÃO

Compete portanto às escolas de Ensino Fundamental e Médio criar centros de convívio que proporcionem ambientes multiculturais de language acquisition para complementar o ensino convencional de inglês (fortemente inspirado em language learning) já normalmente oferecido. Esses centros de convívio em língua estrangeira devem contar com a participação de falantes nativos na coordenação das atividades, e podem ser complementados com convênios junto a escolas no exterior e programas de intercâmbio cultural. Tais centros de language acquisition poderiam vir a servir como etapa intermediária no processo de implementação de educação bilíngue, onde determinadas matérias do currículo escolar são ministradas em língua estrangeira, a exemplo das escolas internacionais encontradas nos grandes centros.


Crônica: ---- MONOLINGUISMO: O ANALFABETISMO MODERNO ----|
O QUE REALMENTE SIGNIFICA "APRENDER INGLÊS"?|
A IDADE E O APRENDIZADO DE LÍNGUAS (POR QUE CRIANÇAS APRENDEM MELHOR?)|
O PAPEL DOS PAIS|    --    O PAPEL DO GOVERNO
O APRENDIZADO DE LÍNGUAS AO LONGO DE UM SÉCULO|
JOSÉ CARLOS E O ENSINO DE LÍNGUAS NO BRASIL|
A DEFICIÊNCIA DO NOSSO SISTEMA EDUCACIONAL|
COMO ESCOLHER UM BOM CURSO DE INGLÊS

O uso dos materiais publicados neste site é livre. Pedimos apenas que todos respeitem a ética acadêmica citando a fonte e informando o endereço do site, para que outros possam também explorá-lo bem como ter acesso às atualizações e complementações que fazemos diariamente.

COMO FAZER UMA CITAÇÃO DESTA PÁGINA:

Schütz, Ricardo. "O Papel da Escola na Erradicação do Monolinguismo." English Made in Brazil <http://www.sk.com.br/sk-escol.html>. Online. 8 de setembro de 2001.

Observe que ao citar textos encontrados na Internet, é necessário colocar a data, devido às frequentes alterações que os mesmos podem sofrer.

Menu principal de English Made in Brazil